POETAS DO BRASIL

Blog para divulgar poetas brasileiros e estrangeiros que têm participado das atividades do Congresso Brasileiro de Poesia, realizado anualmente na cidade de Bento Gonçalves/RS, sempre na primeira semana de outubro

terça-feira, abril 13, 2010

RACHEL MARTINEZ — Nasceu em Montevidéu, Uruguai. Dedicou 35 anos de sua vida à Docência. Especializou-se em Pré –escolar , onde ocupou, por concurso, o cargo de professora e diretora. Aposentou-se em 2000 como Inspetora-Supervisora na sua especialidade. Escreve desde sua infância e começou a publicar mais adiante num jornal. Em 1986 publicou seu primeiro livro:”Por tus raíces... mis alas”. Depois vieram: “Cuatro soles” (1987 1ª edição -1989, 2ªedição), “Dos lunas nuevas” (1988), “Via Láctea” (1989), “Desempolvando estrellas” (1993), “Esa gota de sangre charrua” (1994), “Uma borbuja de ilusión” (1995, traduzido para o português e francês), 1996. “Artigas, presencia entre nosotros” (1996), “Páginas de mi rosa” (2004), “Verano em celo” (1ª edição México, 2ª ediçãoUruguai) e “Vino derramado” (2007). Em preparação tem a novela Transmutaciones. Os livros editados estão dedicados ao público infantil e adolescentes, à exceção dos 4 últimos.
A autora recebeu numerosos prêmios pela sua narrativa e poesia dentro e fora de fronteiras uruguaias. Integrou e integra diferentes júris de certames literários do meio e prefaciou e apresentou livros de autores nacionais e estrangeiros. É presidente do Centro Hispano Americano de Artes e Letras, instituição que há 35 anos trabalha pela cultura do seu país. Organizou encontros internacionais de Artes e Letras em 2003, 2005 e 2007 no Uruguai, tendo ao seu cargo a compilação dos poemas estrangeiros em “Las voces del mundo” ( I, II e III) e as antologias “Navegando cielos de América” (2004) e “Navegando cielos del mundo” (2007) Participou de Congressos, Seminários e Encontros Literários no Uruguai, Argentina, Brasil, Paraguai, Cuba, México e Chile.

MODELA MI CÁNTARO

© RACHEL MARTINEZ

Tu viento ulula hambriento
y estremece mis ramas,
despertando los brotos dormidos.
Osadas caricias que desnudan
de la copa a la raíz.
Así quiero vivir, viento alfarero,
modela mi cántaro,
que en él quiero contener
tu suero vital.


1 Comentários:

Blogger walnelia disse...

Muito lindo,querida Rachel!
Saudades de ti,amiga.
Beijos,
Walnélia Corrêa Pederneiras

2:13 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial