POETAS DO BRASIL

Blog para divulgar poetas brasileiros e estrangeiros que têm participado das atividades do Congresso Brasileiro de Poesia, realizado anualmente na cidade de Bento Gonçalves/RS, sempre na primeira semana de outubro

quinta-feira, março 20, 2008

MARLENE CAMINHOTO NASSA — nasceu em Santa Cruz do Rio Pardo, mas criou-se em Botucatu, no Estado de São Paulo. Separada, mãe de 3 filhos, tem 2 netinhas.
Formada em Artes Plásticas, Desenho, História da arte e Arte dramática, fez Mestrado em Educação e está concluindo o curso de Direito.
Roteirista de teatro e de cinema, artista plástica, jornalista, colunista social e política por muitos anos, ativista cultural, poetisa e escritora, foi Diretora do Museu Histórico e Pedagógico Francisco Blasi, Professora e Diretora de Cultura Universitária.
Detentora de muitos prêmios literários e de artes plásticas, participante de inúmeros salões,obtendo o Prêmio Governador do Estado de Teatro Amador, como melhor atriz, com o grupo GATA, da UNESP.
São de sua autoria os desenhos do Calendário Oficial dos 450 anos da cidade de São Paulo e de vários outros, indicados a prêmios internacionais.
Lançou um livro de contos, “Catança”, na última Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

REENCANTAR O OLHAR

© MARLENE CAMINHOTO NASSA

Tu querias reencantar o teu olhar,
E pensando em poder te ajudar,
Aos teus olhos de menino,
Um colorido eu quis dar.
Mas, dentro de mim,
Quando as cores eu fui buscar,
Tomei-me de espanto
Eu estava vazia!
Sem cor e sem encanto...
Só aí fui dar-me conta,
Que as cores e a alegria,
Eu colocava todas na poesia
E ficava desse modo,
Cada dia, mais vazia!

3 Comentários:

Anonymous Andrea Lucia disse...

Marlene!!
É vc?? Que lindo te achar aqui!!
Belo poema!
Sou a Agatha Alegre...risosss
Beijão,
Andrea.

4:17 PM  
Anonymous JOSÉ FRANCISCO DE SOUZA disse...

POETA ZÉ DE LOLA disse...

POETA ZÉ DE LOLA:

POESIA:
CONVERSANDO COM OS PÁSSAROS.

I
Mim diga o motivo
Conseqüência ou razão
Algum crime eu pratiquei?
Ou serei algum ladrão?
Se não sou um delinquente
Mim diga aí seu demente
Por que estou na prisão?
II
Existem organizações
Pra cuidar dos animais,
Mas permite uma licença
Veja só o que se faz
Você paga um tostão
O bicho vai pra prisão
Não se solta nunca mais.
III
Não há motivo qualquer
Que possa justificar
Tirar nossa liberdade
Que a natureza nos dá
É uma grande covardia
Praticada dia a dia
Quando isso vai parar?
IV
Ninguém por preço nenhum
Quer que viver engaiolado
Até mesmo um criminoso
Contrata um advogado
Pra fazer sua defesa
E às vezes com sutileza
Ele sol um culpado.
V
“Coloque-se” em nosso lugar
Use sua consciência
Fique preso numa gaiola
Faça uma experiência
Pra burrice tem limite
Por que você não admite
Essa sua incoerência?
VI
O pássaro vive feliz
Em seu habitat natural
Os homens ignorantes
Que gostam de fazer mal
Tira sua liberdade
E esta imbecilidade
Eles acham que é normal.
VII
Se eu fosse funcionário
Da defesa ambiental
Ficaria muito triste
Por ver como é natural
O crime que é praticado
Como está sendo depredado
O nosso reino animal.
VIII
Oh! Como seria bom
Que o homem se ligasse
Respeitasse a diferença
Que existe em outra classe
Depredar a natureza
É uma indelicadeza
Seria bom que mudasse

10:48 AM  
Anonymous Anônimo disse...

SOU POETA E COMPOSITORA E GOSTEI MUITO DESSA PÁGINA. E GOSTARIA DE ENTRAR PARA ESSE CLUBE POETAS DO BRASIL.JÁ TENHO UNS 10 LIVROS PARA LANÇAR MAS NUNCA TICE OPORTUNIDADE. CONTO COM VOCES. POR FAVOR ME AJUDEM. babypoeta@hotmail.com ou 30335818.

12:33 AM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial