POETAS DO BRASIL

Blog para divulgar poetas brasileiros e estrangeiros que têm participado das atividades do Congresso Brasileiro de Poesia, realizado anualmente na cidade de Bento Gonçalves/RS, sempre na primeira semana de outubro

sexta-feira, maio 11, 2007

DELASNIEVE DASPET — Delasnieve Miranda Daspet de Souza é sul-mato-grossense de Porto Murtinho, onde nasceu e cresceu em meio à exuberante natureza que é o Pantanal do Mato Grosso do Sul, Brasil, residindo em Campo Grande-MS. Casada, tem dois filhos. É poeta, cronista, faz trabalho social com menores carentes. Professora, Educadora, Ativista Cultural e Ambiental, pertence a várias associações literárias e culturais nacionais e internacionais. É a Embaixadora para o Brasil do “Poetas del Mundo”


CANÇÃO PARA NINAR A PAZ

© DELASNIEVE DASPET

Não sonhar é estar morto.
Não alimentar paixões é encontrar-se perdido
Pelos caminhos.... São as paixões que nos aliviam as tensões
Que definem nossos interesses.
Cada pessoa tem a sua, e são elas que traçam os rumos
De nosso caminhar.

Ninguém tem o direito de julgar
Sobre as paixões que nos consomem...
Apaixonamo-nos por valores, por pessoas,
Cada um segue seu caminho
Conforme sua capacidade e vontade!

A paixão — este estado incoerente!
Melhor seria se paixão e razão andassem juntas,
Com prudência e paciência...

Paixões fáceis e tentadoras
Tão difícil largá-las...
Tão difícil abraçar — firme e decididamente —
Quem ilumina nossa vida, alimenta nosso ser,
Acaricia nossos pensamentos, perfuma com flores nosso andar...

Paixões que causam conflitos,
Dores, guerras, fome, miséria, violência,
Paixões que nos cegam e nos transmutam
Em vilões da Humanidade,
Que desestruturam a família,
Que queimam florestas, que poluem os rios,
Que agridem a Terra, que matam tantas crianças,
Que tornam tantos indigentes e deixam o Urso Polar sem lar!

Paixões!....
E se nos apaixonássemos por nós, irmãos desta senda?!
Se nos amássemos mais, teríamos um Mundo mais sensível,
Celebraríamos a Páscoa definitiva!
E passaríamos da violência para a Paz,
Da guerra para o amor, do ódio ao perdão,
Da desigualdade para a comunhão....

E não haveria lágrimas, e não haveria dor,
E não haveria violência...
Nem João Hélio morreria, muito menos as Marias...
Nem as flores murchariam,
Nos pratos teríamos comida,
Nos postos os médicos atenderiam,
Na favela existiria o direito de sonhar,
A divisão seria eqüitativa,
Os políticos... estes não seriam necessários...

Corresponderíamos ao grande amor que herdamos,
Sem egoísmo os elos seriam reatados, e,
Resgataríamos a aliança de amor e salvação...

É um sonho que sonho, é um sonho que vivo,
É uma semente que planto todos os dia da vida
É um canto que sangra numa canção para ninar a Paz!


2 Comentários:

Blogger A Sonhadora disse...

Olá Deslanieve, bom dia!!!
Finalmente consegui uma maneira de lhe dizer, que sou sua fã !!!
Há mto tempo que recebo as suas coisas, todas mto belas e gostaria de lhe dar um abraço de parabéns por tudo o que tem feito pela cultura e em especial, pela poesia...
Daqui deste lado do atlântico, um abraço desta humilde sonhadora, que a admira muito e espero que continue sempre a deliciar-nos com todas as suas poesias tão sentidas.

7:09 AM  
Blogger Sonia Maria disse...

DD, Você como sempre brilhante!
Tudo o que você escreve, marca fundo a alma da gente. Sinto orgulho em ser sua amiga pessoal.
Mil beijos Embaixadora da Paz!
Baby®

10:44 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial